quinta-feira, 31 de agosto de 2017

O tudo e o nada de cada um

Amanhece. O dia parece, não perceber o que perdeu. Só sabemos você, e eu. As vezes as figuras parecidas, até se confundem. E as vozes são tão iguais. No seu jardim falta a sua rosa. Ele amanhece, sem o seu perfume predileto. Mas a lua surge, indiferente ao cenário. O sol, mostra todo o seu brilho,parecendo não entender, sobre seu olhar perdido. Nada pode ser igual, enquanto tudo segue exatamente como sempre foi. Paradoxo. Difícil para alguém que vive a anos entender. A dificuldade, deve aumentar insuportavelmente, de tamanho para alguém que chegou aqui a pouco tempo. Natural os ciclos que não consigo entender. Natural que sigam, que sumam no horizonte, por vezes, sem tempo sequer de nos dizer adeus.